Planejamento

O plano era topar o emprego em 2010, ficar três meses, juntar um grana boa com o trabalho e ir pra sorte em São Paulo. Deu errado. Fui para uma escola de inglês enquanto estudava para concurso para alguma coisa em Minas. Parada boa.

Pai entrou em coma no dia do certame e vó foi para o hospital também em estado crítico. Cabeça do escriba foi à Lua. Os dois morreram tempo depois e desde ano passado, vivo num estado estático profissional.

É uma merda ver o tempo passar não fazendo a barba.

Topo qualquer parada. Qualquer, mesmo.

2016

Se o ano foi ruim? 40 anos, semi desempregado, financeiramente quebrado, morando com uma mãe neurastênica e sem ter muito o que fazer salvo ler. Meu ano foi péssimo se vocês querem saber e eu não tenho a mínima ideia como sair dessa.

Belo-horizontino só é solidário na hora do câncer, disso eu conheci perfeitamente no enterro de pai ano passado.

Não, Cibele: eu menti feio para você. Estou bem mais perdido de quando você me encontrou num blogue sobre baixarias que sei lá que raios você achou o máximo na época.

Eu quero recomeçar a viver.

Único belo momento deste ano foi deitar na calçada bebaço na madrugada com uma amiga paulista.

.

Conclusão dos 40

Eis algo que me incomoda: a São Paulo da minha infância ainda existe intacta. Já BH, não. Tirando uma pizzaria, nada mais existe em BH que me remete ao meus dias de criança e adolescencia.

São Paulo sempre terá uma história para contar.

Belo Horizonte virou meu hospício sem nenhum fato novo. Só um rotina para a morte com memórias que apagam diariamente.

2016

Esse foi meu derradeiro ano. 2017 será para resolver coisas burocráticas e terminar esta maldita depressão que me come desde 2012. Ver alguém que você ama indo, traz danos irreparáveis pra alma. Vida tava arrumada naquele ano. Escola de ponta, futuro promissor e feliz por ter superado a Cibele com certa rapidez.

Junior, vou precisar de você para tomar conta de mãe ano que vem. Já tenho minha data de partida para Trafalmadore.

O resto a gente tá despedindo da minha maneira.

Não aguento mais. É passar meu último Natal, ver os fogos na Lagoa, rezar em Bueno, conhecer meus padrinhos e ir.

Ate pedi benção pro padre hoje e vou me confessar nesta semana. Talvez, Jesus me salve.

 

 

Todos sabem que isso é porra nenhuma

A gente só fica velho. Um dia percebemos que somos extremamente bem sucedidos em algo que não deveríamos e um caos nas pequenas coisas que importam a maioria.

Não escolhi esta vida. Era pra ser diferente. Só isso. A gente tem que se virar quando a depressão vem a porta para arregaçar. Vida ou morte.

Escolhi viver.

Me deixem em paz. Gosto de acordar com o cachorro lambendo meu rosto para dar uma volta na rua visando cagar, meu emprego vagabundo e as contas pagas no final de mês. Não quero mais nada da vida.

Um dia a caixa de ressonância parará e só espero que o pessoal faça um churrasco com muita cerveja e pinga no dia. É como eu gostaria de ser lembrado.